Historico
CCR
Apresenta


Celebrar a memória do circo brasileiro moveu o Circo Roda a encenar sua quarta produção: CARAVANA - memórias de um picadeiro. Com idealização e argumento de Beto Andreetta, direção de Chico Pelúcio e dramaturgia de Luís Alberto de Abreu, o espetáculo conta a aventura de um circo e suas viagens pelos estados brasileiros, por meio das lembranças de um velho palhaço, Caturrão.
O espetáculo é uma homenagem do Circo Roda, que vem renovando a linguagem circense, feita aos circos tradicionais e itinerantes, por meio de uma narrativa poética que exalta os aspectos culturais de cada região brasileira e a maneira como influenciou toda a diversidade de expressões que os circos abrigam.

No enredo, o velho palhaço Caturrão faz sua última apresentação, enquanto o circo seguirá sua turnê. Em seu camarim, o palhaço recebe a visita de uma menina, uma pequena fã, que ouve dele as lembranças de todos os lugares pelos quais passou.

Números de trapézio, acrobacias, arame, malabares, magias e reprises de palhaços se sucedem no palco, de maneira integrada e coreográfica, para contar a melodramática história da vida de Caturrão, bem ao gosto da tradição do circo-teatro brasileiro. A cada lembrança, Caturrão nos leva a desfrutar um pouco da nossa cultura popular recheada de dança, música e de impactantes números circenses.
A encenação traz para a cena o espírito do circo-teatro, presente na história dessa arte que tanto peregrinou pelos mais distantes territórios brasileiros, levando a alegria, a ilusão e a possibilidade do povo sonhar.

O diretor do espetáculo Chico Pelúcio (Grupo Galpão e diretor do Centro Cultural Galpão Cine Horto/BH), fica à vontade com a linguagem voltada à cultura popular. Para ele, "por meio da narrativa de um velho palhaço buscamos mostrar ao público a tradição do circo brasileiro mergulhando em seu formato tradicional de espetáculo e, ao mesmo tempo, contemplando um singelo melodrama de circo-teatro." Para isso, conta com a dramaturgia de Luiz Alberto de Abreu, um dos principais dramaturgos e roteiristas de cinema do país, que traz toda sua pesquisa do universo da arte popular para, a partir do argumento de Beto Andreetta, apresentar um texto feito todo em versos, com ditos e brincadeiras populares que dialogam com os números circenses. Para Pelúcio, "Abreu amplia as imagens realizadas em cena e, visitando o imaginário popular, conecta passado e presente, o que certamente vai emocionar crianças e adultos. Posso dizer que é uma homenagem a essa arte tão importante em nosso país".

A cenografia e os figurinos de Márcio Medina ressaltam todos os aspectos da cultura de cada cidade brasileira, apoiados em elementos gráficos que realçam os ícones mais fortes de cada região. A trilha sonora original de Marcos Boaventura e Guga Bernardo percorre a riqueza da música popular brasileira, traçando um panorama sobre os ritmos de nossa música. A iluminação de Wagner Freire traduz cada ambiente e elemento climático de nosso país, ressaltando os efeitos cênicos e recortando os elementos circenses para destacar cada performance.

Faixa etária: Livre
Duração: 70 min